PortugueseEnglish
O negro de hoje em dia
Vem na roda seu doutor
É o mesmo que sofria
Os maus tratos do feitor

O canto é da senzala
E quem cantou pra não chorar
A luta é gingada
E nasceu pra libertar

A cabaça o arame e aquele pau
O seu instrumento berimbau
Avisando que é hora de lutar

Ê ê ê camará

Aruanda aruanda aruandê

Ê ê ê camará

Olha joga menino que eu quero ver

Ê ê ê camará

Canta menino que eu quero ver

Ê ê ê camará

Antes que esfrie
Meu corpo morto
Em algum lugar
Meus ossos se retirem
Façam armas pra lutar

Buscando a liberdade
E o direito de viver
Mesmo que a realidade
Só os filhos venham ter

A farinha, a pimenta e o feijão
Tão poucos afirmam que está bom
Enquanto eles comem caviar

Ê ê ê camará


Aruanda aruanda aruandê

Ê ê ê camará

Olha joga menino que eu quero ver

Ê ê ê camará

Canta menino que eu quero ver

Ê ê ê camará
Today's black man
Comes to the doctor's roda
He's the same that suffered
The mistreatment of the overseer

The singing is from the senzala
And who sang not to cry
The fight is shaken
And was born to set free

The gourd the wire and that stick
Their instrument the berimbau
Warning that it's time to fight

Ê ê ê camará

Aruanda aruanda aruandê

Ê ê ê camará

Look, play boy 'cause I want to see

Ê ê ê camará

Sing boy 'cause I want to see

Ê ê ê camará

Before it gets cold
My dead body
Somewhere
Take my bones
Make weapons to fight

Seeking freedom
And the right to live
Even though the reality
Only the children will have

The flour, pepper and beans
So few say it is good
While they eat caviar

Ê ê ê camará

Aruanda aruanda aruandê

Ê ê ê camará

Look, play boy 'cause I want to see

Ê ê ê camará

Sing boy 'cause I want to see

Ê ê ê camará
Author: Mestre Bradesco