PortugueseEnglish
Na Bahia de outrora de mestre Pastinha mestre Waldemar
Ladainhas de angola onde o canto me faz recordar
Do tempo que era tão bom onde eu queria viver
Conhecer toda a mandinga toda a malícia e também o saber

Ai ai aaaai ai ai saudade que eu tenho demais
Ai ai aaaai ai ai

Do tempo que não volta atrás
Ai ai aaaai ai ai

Quando Bimba era rapaz
Ai ai aaaai ai ai

Era um tempo bom demais
Ai ai aaaai ai ai

Capoeira era jogada, o capoeirista que tinha valor
Era um tempo que não tinha grupo que não tinha mestre nem graduação
Os olhos ensinavam a jogar, cada um tinha a sua expressão
O aluno era discípulo aprendia com o mestre toda a lição

Ai ai aaaai ai ai saudade que eu tenho demais
Ai ai aaaai ai ai

Seu Pastinha lá no cais
Ai ai aaaai ai ai

Waldemar do pero vaz
Ai ai aaaai ai ai

Era um tempo bom demais
Ai ai aaaai ai ai

In Bahia of yesteryear, with Mestre Pastinha mestre Waldemar
Angola ladainhas, where the singing reminds me
Of a time it was so good, where I wish I could live
To know all the mandinga all the malice and also the knowledge

Ai ai aaaai ai ai I miss it so much
Ai ai aaaai ai ai

A time that doesn’t go back
Ai ai aaaai ai ai

When Bimba was a boy
Ai ai aaaai ai ai

It was too good a time
Ai ai aaaai ai ai

Capoeira was played, the capoeirista had value
It was a time where there were no groups, no masters or graduations
The eyes taught one how to play, each had their own expression
The student was a disciple, learned from the master the whole lesson

Ai ai aaaai ai ai I miss it so much
Ai ai aaaai ai ai

Seu Pastinha there on the pier
Ai ai aaaai ai ai

Waldemar do Pero Vaz
Ai ai aaaai ai ai

It was too good a time
Ai ai aaaai ai ai

Author: Mestre Mão Branca