PortugueseEnglish
Quando eu venho de Luanda eu não venho só
Quando eu venho de Luanda eu não venho só

Quando eu venho de Luanda eu não venho só
Quando eu venho de Luanda eu não venho só

O trago meu corpo cansado, coração amargurado
Saudade de fazer dó

Quando eu venho de Luanda eu não venho só
Quando eu venho de Luanda eu não venho só

Quando eu venho de Luanda eu não venho só
Quando eu venho de Luanda eu não venho só

Eu fui preso à traição, trazido na covardia
Que se fosse luta honesta de lá ninguém me trazia
Na pele eu trouxe a noite, na boca brilha o luar
Trago a força e a magia presente dos orixás

Quando eu venho de Luanda eu não venho só
Quando eu venho de Luanda eu não venho só

Quando eu venho de Luanda eu não venho só
Quando eu venho de Luanda eu não venho só

Eu trago ardendo nas costas o peso dessa maldade
Trago ecoando no peito o grito de liberdade
Que é grito de raça nobre, grito de raça guerreira
Que é grito da raça negra, é grito de capoeira

Quando eu venho de Luanda eu não venho só
Quando eu venho de Luanda eu não venho só

Quando eu venho de Luanda eu não venho só
Quando eu venho de Luanda eu não venho só

When I come from Luanda I don’t come alone
When I come from Luanda I don’t come alone

When I come from Luanda I don’t come alone
When I come from Luanda I don’t come alone

I bring you my tired body, bitter heart
Longing that causes pity

When I come from Luanda I don’t come alone
When I come from Luanda I don’t come alone

When I come from Luanda I don’t come alone
When I come from Luanda I don’t come alone

I was trapped in betrayal, brought in cowardice
‘Cause it were an honest fight, from there nobody could bring me
In my skin I brought the night, in my mouth moonlight shines
I bring the strength and present magic of the orishas

When I come from Luanda I don’t come alone
When I come from Luanda I don’t come alone

When I come from Luanda I don’t come alone
When I come from Luanda I don’t come alone

I bring the weight of this evil burning on my back
I bring echoing in my chest the cry of freedom
It’s the cry of a noble race, the cry of a warrior race
It’s the cry of the black race, it is the cry of capoeira

When I come from Luanda I don’t come alone
When I come from Luanda I don’t come alone

When I come from Luanda I don’t come alone
When I come from Luanda I don’t come alone

Author: Mestre Toni Vargas